top of page
dfghj.png

IAO - Removendo energias negativas de um ambiente

Removendo Energias Pesadas de um Ambiente Livro: Bruxa Psíquica



Você já entrou em uma sala e, apesar de todos sorrirem e fazerem brincadeiras, pôde sentir que houve uma discussão acalorada momentos antes? Emoções e energias pesadas se acumulam rapidamente em um espaço, podendo até mesmo se estagnar onde você mora.


[...]


A fórmula chamada IAO vem de sistemas herméticos de magia, como a Golden Dawn. IAO representa três forças: Ísis, que incorpora as forças da natureza e da criação; Apophis, que incorpora as forças de destruição e remoção; e Osíris, que incorpora as forças da ressurreição e transmutação. Por isso, a fórmula é perfeita para transmutar e remover energias pesadas. Com o som "I", nos sintonizamos com as energias que já existem na sala. Com o som "A", declaramos que a energia está sendo removida. E com o som "O", transformamos a sala em um estado de energia positiva.



A entoação completa do IAO deve ser executada com uma respiração contínua. Fique em pé, com os braços ao lado do corpo e as palmas das mãos voltadas para o chão. Respire profundamente e, a partir do seu abdômen, comece a entoar o som "I" (eee). Sinta o som reverberar no fundo da boca. Enquanto entoa, gire as palmas das mãos para cima e comece a levantar lentamente os braços, imaginando-se elevando a energia da sala. Quando seus braços estiverem paralelos ao chão, comece a entoar a letra "A" (Aaaaaah). Sinta o som reverberar no meio da boca. Observe sua boca abrindo um pouco mais para produzir o som. Continue elevando a energia com os braços. Assim que seus braços estiverem acima da cabeça, comece a entoar a letra "O" (Ooooooh). Sinta o som reverberar na frente da boca. Observe o quão aberta sua boca está para produzir o som. Visualize a energia sendo completamente elevada do espaço conforme você a empurra fisicamente pela sala até onde seus braços podem alcançar. Repita isso pelo menos três vezes. Você deverá notar uma mudança drástica na energia do ambiente.


OUTRA MANEIRA DE ENTENDER A FÓRMULA IAO Uma Exploração Profunda dos Nomes Bárbaros e sua Simbologia Sagrada

Nos caminhos da tradição gnóstica, o nome IAO é visto como uma poderosa força, como nos revelam os Oráculos Caldeus: "não mudem os nomes bárbaros da evocação, pois eles possuem poder inefável nos ritos sagrados".


A composição de IAO revela uma complexidade simbólica única, onde Yod (Virgem), Aleph (Ar) e Vav (Touro) convergem para um valor total de 17. Este número, por sua vez, corresponde aos quadrados na Suástica, cuja forma representa Aleph, o redemoinho, a primeira letra do alfabeto hebraico com valor 1. Na simbologia, IAO atua como mediador entre os signos terrestres Virgem e Touro, unindo suas essências e infundindo vida para que possam desempenhar seus papéis na criação. Aleph, Vav e Yod também representam os caminhos que conectam Kether a Tiphereth via 'Hokhmah e Hessed'.

Uma abordagem alternativa da palavra IAO nos conduz a outra interpretação fascinante:

  • Yod – י – Virgem – 10

  • Aleph – א – Ar – 1

  • Vav – ו – Touro – 6

O valor total, 81, corresponde ao número místico da Lua, atribuído à Sephirah Yessod, a Fundação.

No Liber IV, Aleister Crowley descreve a Fórmula IAO como "a principal e a mais característica de Osíris, da Redenção da Humanidade". I, representando Ísis, a Natureza, é arruinada por A, Apófis, o Destruidor, e trazida de volta à vida por Osíris, o Redentor. Essa ideia ecoa na fórmula Rosacruz da Trindade e na Palavra Lux, L.V.X., que também é simbolizada pelos braços de uma cruz.


Crowley enfatiza que a doutrina comum da ressurreição é absurda e errônea, não encontrando respaldo nas Escrituras. Ele destaca a distinção crucial entre o corpo glorioso da ressurreição e o corpo mortal que perece, como indicado por São Paulo.

A visão mágica da cerimônia destaca que o Mago, ao ser absorvido na Divindade, é verdadeiramente destruído, enquanto o autômato mortal permanece no círculo, sem mais relevância do que o pó no chão.

Prosseguindo, Crowley relata que no Décimo Sétimo Ano do Aeon, reconstruiu a Palavra IAO para atender às novas condições da Magia impostas pelo progresso. A Palavra da Lei, Thelema, com número 93, tornou-se o cânone de uma Missa correspondente. IAO foi expandido tratando o O como um ayin e acrescentando vav como prefixo e sufixo, resultando em ויאעו cujo número é 93. Este novo hieróglifo é, portanto, uma expressão única do Ritual de Autoiniciação do Aeon de Hórus, conforme detalhadamente analisado por Crowley.



No Liber IV, Crowley fala da Fórmula IAO da seguinte forma:

“Esta fórmula é a principal e a mais característica de Osíris, da Redenção da Humanidade”. I é Ísis, a Natureza, arruinada por A, Apófis o Destruidor, e trazido de volta à vida por Osíris o Redentor. A mesma ideia é expressa na fórmula Rosacruz da Trindade:

 Ex Duo nascimur.

 Em Jesu morimur.

 Per Spiritum Sanctum reviviscimus.

 Isto também é idêntico à Palavra Lux, L.V.X., que é formada pelos braços de uma cruz. É esta fórmula que está implícita naqueles monumentos antigos e modernos onde o falo é adorado como o Salvador do Mundo.

 A doutrina da ressurreição, como é comumente entendida, é absurda e errônea. Não é nem mesmo “Escritural”. São Paulo não identifica o corpo glorioso pelo qual ocorre a ressurreição com o corpo mortal que perece. Pelo contrário, ele insiste repetidamente nesta distinção.

 O mesmo se aplica a uma cerimônia mágica. O Mago que é destruído pela absorção na Divindade é realmente destruído. O miserável autômato mortal permanece no Círculo. Não tem mais consequências para Ele do que o pó no chão.

 Mais adiante lemos: “O MESTRE THERION, no Décimo Sétimo Ano do Aeon, reconstruiu a Palavra IAO a fim de satisfazer as novas condições da Magia impostas pelo progresso. A Palavra da Lei sendo Thelema cujo número é 93, este número deveria ser o cânone de uma Missa correspondente. Assim, ele expandiu o IAO tratando o O como um ayin, e depois acrescentando vau como prefixo e sufixo. A palavra completa dá assim: ויאעו cujo número é 93. Podemos analisar em detalhes esta nova Palavra e demonstrar que ela é um hieróglifo próprio do Ritual de Autoiniciação deste Aeon de Hórus.

188 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page