top of page
dfghj.png

V.I.T.R.I.O.L





VITRIOL ou V.I.T.R.I.O.L. representa a acróstico derivado da expressão latina "Visita Interiora Terrae, Rectificando, Invenies Occultum Lapidem". Essa enigmática locução desvenda a jornada introspectiva de explorar as profundezas da própria alma com a finalidade de alcançar a essência oculta do eu humano, ou seja, a "Pedra Oculta" ou Filosofal. Este conceito, imbuído de significados filosóficos, é emblemático da ininterrupta busca do ser humano pela autotransformação, assim como pelo aprimoramento da sociedade em sua totalidade.



Atribuída a Basile Valentin, um monge beneditino que viveu no século XV na Alemanha, a inscrição detém um lugar enigmático no panteão das expressões místicas e secretas. Ela serve como palavra-chave para desvendar os recônditos do "Mundo Oculto dos Deuses" ou dos "Homens Semideuses". Nas cerimônias iniciáticas, como nas tradições Maçônicas, Templárias e Rosa-cruzes, o neófito é confrontado com esse enigma, muitas vezes sem plena compreensão do seu significado profundo. Essa sigla é particularmente proeminente na Câmara de Reflexão, uma simbólica área Maçônica que convida os iniciados a meditar sobre sua efemeridade material e a aspirar à elevação espiritual.



A "Pedra Oculta" ou Filosofal, oriunda da Idade Média, carrega um significado alquímico relevante. Os alquimistas a concebiam como uma substância capaz de transmutar metais em ouro ou prata, sendo igualmente vista como a cura para todas as enfermidades e um elixir que garantiria longevidade.



A transformação alquímica dos metais é, em si, uma metáfora alegórica e simbólica, transcendendo as fronteiras da materialidade para expressar a busca espiritual e o crescimento interior.

12 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page