top of page
dfghj.png

Baphomet, o símbolo, sua história e muito mais



Baphomet: A Intrigante História Vinculada à Queda dos Templários

A narrativa envolvendo o Baphomet tornou-se intricadamente entrelaçada com a Ordem dos Templários, orquestrada pelo Rei Filipe IV da França com o apoio do Papa Clemente V.


O propósito por trás desse enredo era desacreditar a Ordem, uma vez que o rei era seu grande devedor e o papa buscava revogar o tratado que isentava os Cavaleiros Templários do pagamento de taxas à Igreja Católica.


Possível representação de Baphomet em uma pedra angular no Convento de Cristo, na cidade de Tomar, Portugal.

A fundação da Ordem dos Pobres Cavaleiros de Cristo e do Templo de Salomão, mais conhecida como Ordem do Templo, remonta ao ano de 1118.

A missão proclamada pelos cavaleiros templários era a proteção dos peregrinos em sua jornada à Terra Santa. Receberam como sede o território correspondente ao Templo de Salomão, em Jerusalém, daí derivando o nome da Ordem.

Conforme a história se desenrolava, os Cavaleiros Templários adquiriram poder e riqueza, superando até mesmo os soberanos da época. De acordo com a lenda, no território que lhes foi designado, descobriram documentos e tesouros que impulsionaram seu poder. Alguns relatos sugerem que assumiram a custódia do Santo Graal, entre outros tesouros da tradição cristã.


Em 13 de outubro de 1307, sob as ordens de Felipe, o Belo, e com a complacência do Papa Clemente V, os cavaleiros foram detidos, submetidos a torturas e condenados à fogueira, acusados de diversas heresias.

Nesse contexto, o rei francês acusou os templários de cultuarem o diabo na figura conhecida como Baphomet. Este ser tornou-se o bode expiatório na condenação da Ordem pela Igreja Católica e na subsequente execução dos templários na fogueira.


Imagem de uma série de figuras esculpidas ou gravadas que foram encontradas em um número de supostos artefatos Templários do século XIII, como copos, taças e cofres. Ela foi associada a Baphomet

Baphomet: Uma Exploração das Teorias e Especulações em Torno de sua Etimologia


A palavra "Baphomet" é envolta em mistério, e não há consenso quanto à sua origem etimológica. O arqueólogo austríaco Joseph von Hammer-Purgstall, crítico dos ideais templários, propôs em 1816, no tratado intitulado "Mysterium Baphometis Revelatum," uma possível origem grega. Segundo ele, a palavra seria uma combinação de "Baphe" e "Metis," traduzindo-se como "Batismo de Sabedoria." A partir dessa conjectura, Von Hammer especula sobre a existência de rituais de iniciação que revelariam os mistérios guardados pela Ordem do Templo.

A etimologia da palavra "Baphomet" permanece obscura, permitindo diversas especulações, incluindo a composição de três deuses: Baph (associado a Baal), Pho (derivado de Moloch) e Met (ligado a um deus egípcio, Seti). Outra teoria sugere uma possível corruptela de Muhammad (Maomé), enquanto a combinação "Baph+Metis" do grego representa o "Batismo de Sabedoria."

Ao investigar a palavra "Baphomet" em hebraico (Beth-Pe-Vav-Mem-Taf) e aplicar a cifra Atbash, método de codificação usado pelos Cabalistas judeus, obtemos Shin-Vav-Pe-Yod-Aleph, que soletra "Sophia," a palavra grega para "sabedoria."

Entretanto, há outras fontes que propõem uma origem diferente. Segundo alguns, o termo provém da expressão grega "Baph-Metra" (mãe-Metra ou Meter-submersa; Baph-em sangue), sugerindo a "Mãe de sangue" ou a "Mãe sinistra." Historiadores que apoiam essa versão destacam a relação do culto à cabeça com invocações de entidades femininas.

Simbolicamente, teoriza-se que o Baphomet é fálico, evidenciado por representações míticas que incluem a presença literal do falo inserido em um vaso, simbolizando claramente a vulva. Essas interpretações diversas adicionam camadas de complexidade à enigmática figura do Baphomet, perpetuando o debate sobre sua verdadeira origem e significado.


Mysterium Baphometis Revelatum

Baphomet por Eliphas Levi: Uma Análise das Representações e Simbolismos

A icônica representação de Baphomet, concebida pelo ocultista Eliphas Levi, é uma obra rica em simbolismos e significados metafísicos. Apresentada em seu livro "Dogma e Ritual da Alta Magia," Levi classifica a imagem de Baphomet como a figura panteísta e mágica do absoluto. Vamos explorar os elementos fundamentais dessa representação:

1. O Facho Equilibrante:

O facho segurado por Baphomet simboliza a inteligência equilibrante do ternário, representando uma harmonia essencial.

2. Cabeça de Bode:

A cabeça de bode, incorporando características de cão, touro e burro, simboliza a responsabilidade ligada à matéria e a expiação corporal dos pecados.

3. Mãos Humanas e Sinal da Iniciação:

As mãos humanas fazendo o sinal da iniciação esotérica, similar à posição de Shiva na Índia, indicam o antigo princípio hermético "o que está em cima é igual ao que está embaixo." Esse gesto recomenda aos iniciados nos mistérios das artes ocultas.

4. Aspecto Metafísico:

A figura pode ser interpretada metafisicamente, representando o espírito divino que une o Céu e a Terra, um tema recorrente na literatura esotérica.

5. Crescentes Lunares:

Os crescentes lunares presentes na figura simbolizam as relações entre o bem e o mal, misericórdia e justiça.

Eliphas Levi

6. Seios do Bode:

Os seios na representação do bode destacam seu papel em trazer à humanidade sinais de maternidade e trabalho, simbolizando redenção.

7. Pênis e Caduceu:

O pênis é metaforicamente representado por um Caduceu, símbolo de ascensão da energia da deusa Kundalini no budismo tântrico. Essa simbologia relaciona-se frequentemente com a alquimia.

8. Símbolos do Microcosmo:

O signo do microcosmo, localizado na frente e abaixo do facho, simboliza a inteligência humana de forma simbólica.

9. Posicionamento de Baphomet:

Baphomet deve ser representado assentado em um cubo, tendo como estrado uma bola ou uma bola e um escabelo triangular.

10. Coloração Simbólica:

A figura pode ser colorida no ventre (verde), no semicírculo (azul) e nas penas (diversas cores), adicionando camadas de significado visual.

A complexidade dessa representação de Baphomet revela uma síntese de conceitos esotéricos, alquímicos e místicos, convidando à interpretação profunda e variada dentro do contexto da tradição ocultista.


Baphomet de Eliphas Levi

Em Dogma e Ritual da Alta Magia, Levi descreve Baphomet da seguinte forma:

O bode, que é representado no nosso frontispício, traz na fronte o signo do pentagrama, com a ponta para cima, o que é suficiente para fazer dele um símbolo de luz; faz com as mãos o sinal do ocultismo, e mostra em cima a lua branca de Chesed, e embaixo a lua preta de Geburah. Este sinal exprime o perfeito acordo da misericórdia com a justiça. Um dos seus braços é feminino, o outro é masculino, como no andrógino de Khunrath, cujos atributos tivemos de reunir aos do nosso bode, pois que é um único e mesmo símbolo. O facho da inteligência que brilha entre os seus chifres é a luz mágica do equilíbrio universal; é também a figura da alma elevada acima da matéria, embora esteja presa à própria matéria, como a chama está presa ao facho. A cabeça horrenda do animal exprime o horror do pecado, de que só o agente material, único responsável, deve para sempre sofrer a pena: porque a alma é impassível por sua própria natureza, e só chega a sofrer, materializando-se. O caduceu, que está em lugar do órgão gerador, representa a vida eterna; o ventre coberto de escamas é a água; o círculo que está em cima é a atmosfera; as penas que vêm depois são o emblema do volátil; depois, a humanidade é presenteada pelos dois seios e os braços andróginos desta esfinge das ciências ocultas. 
Eliphas Levi – Dogma e Ritual da Alta Magia, Pensamento, 1997 – pp. 337-338.

Aleister Crowley e a Cosmologia de Baphomet em Thelema


Aleister Crowley

Aleister Crowley, figura proeminente na tradição ocultista do século XX e fundador da Thelema, incorporou o simbolismo de Baphomet de Eliphas Levi em sua cosmologia. No contexto da Thelema, Baphomet desempenha um papel significativo, como evidenciado em diversos escritos de Crowley.

Na Missa Gnóstica da Igreja Gnóstica Católica, os seguidores recitam o credo que inclui a frase: "Eu creio na Serpente e no Leão, Mistério dos Mistérios, em seu nome BAPHOMET." Esta inclusão ressalta a importância atribuída à figura de Baphomet dentro do sistema místico de Crowley.

Em sua obra "Magick (Book 4)," Crowley descreve Baphomet como um andrógino divino e o hieróglifo da perfeição arcana. Ele expressa a ideia de que Baphomet reflete o que ocorre acima da mesma forma que reflete abaixo, aludindo ao princípio hermético fundamental.

Crowley rejeita a existência do Diabo como uma entidade real, considerando-o um nome falso inventado. Em vez disso, ele associa Baphomet à serpente e a Satanás como representações não do inimigo, mas da força que tornou a humanidade consciente do "bem e do mal." Baphomet, para Crowley, personifica a Vida e o Amor.

A interpretação de Crowley vai além, relacionando Baphomet à natureza espiritual dos espermatozoides e à "criança mágica" resultante da magia sexual. Baphomet, nesse contexto, simboliza a união dos opostos, incorporando tanto o aspecto místico como o biológico dessa fusão.


Baphomet na Maçonaria e Teorias da Conspiração:


Léo Taxil, cujo verdadeiro nome era Marie Joseph Gabriel Antoine Jogand-Pagès,

A Fraude de Taxil de 1890: Uma Intrigante Farsa Antimaçônica Francesa


A Fraude de Taxil de 1890 é amplamente reconhecida como uma das mais notáveis artimanhas antimaçônicas na história francesa. Seu arquiteto, Léo Taxil, motivado por um desejo de vingança após ser expulso da Maçonaria em 1882 devido o seu envolvimento em casos de plágio e difamação, engendrou uma elaborada farsa que desencadearia um escândalo envolvendo a Igreja Católica e a Maçonaria. Taxil não passou do 1º grau e foi expulso num prazo de 10 meses, ou seja, as tais coisas secretas seriam inacessíveis a ele se existissem na maçonaria.


História resumida:

Léo Taxil, cujo verdadeiro nome era Marie Joseph Gabriel Antoine Jogand-Pagès, já havia enfrentado acusações de difamação anteriormente por seu livro "The Secret Loves of Pope Pius IX." Inicialmente crítico do catolicismo, Taxil ingressou na Maçonaria em 1881, mas sua breve permanência foi interrompida após apenas dez meses, quando foi expulso por envolvimento em casos de plágio e difamação.

Humanum genus afirmou que o final do século 19 foi uma época de perigo particular para os católicos romanos, pois os "partidários do mal" eram agora muito menos secretos, como evidenciado pela nova abertura da maçonaria. A Maçonaria havia sido condenada por papas anteriores como sendo contrária à doutrina católica, mas de acordo com o gênero Humanum, a natureza da Maçonaria estava mudando à medida que os maçons eram muito mais abertos na sociedade com suas práticas e filiações. Humanum genus condenou especificamente certas práticas dos maçons, incluindo: indiferença religiosa; a promoção da educação pública que negava o papel da Igreja e onde "a educação dos jovens estará exclusivamente nas mãos dos leigos"; A aprovação da noção de que o povo é a única fonte de soberania, e que aqueles que governam não têm autoridade senão pela comissão e concessão do povo. A Santa Sé proíbe os católicos romanos de se tornarem maçons desde 1738 com a publicação da bula In eminenti apostolatus do Papa Clemente XII. De acordo com a Declaração sobre as Associações Maçônicas de 1983, "o julgamento negativo da Igreja em relação à associação maçônica permanece inalterado". A Santa Sé, também conhecida como Sé de Roma, Sé Petrina, Sé Apostólica e Governo da Cidade do Vaticano, refere-se à jurisdição do Papa em sua função como bispo de Roma, líder da Igreja Católica Romana em escala global, e soberano da Cidade do Vaticano. Esta abrangente autoridade engloba a sé episcopal apostólica da Diocese de Roma, que detém jurisdição eclesiástica sobre a Igreja Católica, bem como a soberania e administração da cidade-estado conhecida como Cidade do Vaticano.

A oportunidade para a Fraude de Taxil surgiu em 1884, quando o Papa Leão XIII emitiu a encíclica que categorizava a raça humana em dois reinos opostos - o reino da verdade e virtude (a verdadeira Igreja de Jesus Cristo) e o reino de Satanás, supostamente associado à Maçonaria.

A Invenção da Ordem Palladium:

Taxil, buscando vingança e desejo de ridicularizar a Igreja, converteu-se ao catolicismo em 1885, alegando sua intenção de reparar os danos à "verdadeira fé". No entanto, ele então inventou uma ordem maçônica satânica fictícia chamada Palladium, cujo suposto objetivo era dominar o mundo.

Sua estratégia envolvia acusar a Maçonaria de ocultar imoralidades e incentivar práticas viciosas, além de associá-la a rituais satânicos dedicados a Baphomet. Taxil misturou elementos do ritual maçônico com elementos fantasiosos, utilizando a imagem de Baphomet, originalmente concebida por Eliphas Levi em 1854, como parte de sua narrativa.

Na imagem temos Papa Leão XIII, que diz o seguinte na encíclica: HG 31: "Como nossos predecessores repetiram muitas vezes, que nenhum homem pense que pode, por qualquer motivo, se filiar à seita maçônica, se valorizar seu nome católico e sua salvação eterna como deveria valorizá-los."

Os Personagens Criados por Taxil:

Taxil, agora "convertido," escreveu um quarto volume da história da Maçonaria, apresentando depoimentos fictícios de um suposto testemunho de sua participação no satanismo. Em colaboração com "Dr. Karl Hacks," criou outro livro chamado "Devil in the Nineteenth Century," apresentando Diana Vaughan, suposta descendente do alquimista Rosacruz Thomas Vaughan. Essa personagem fictícia protagonizou contos sobre encontros com demônios encarnados.

Revelação da Fraude:

Em 1897, após uma década de apoio do Papa Leão XIII, Taxil convocou uma conferência de imprensa na Sociedade de Geografia para confessar a farsa. Ele admitiu que suas revelações sobre a Maçonaria eram fictícias, revelou que Diana Vaughan era uma criação fictícia, esclareceu que a ordem Palladium não existia, e explicou os detalhes de como mantivera a farsa.

O escândalo resultante envolveu até mesmo a intervenção policial para proteger Taxil da indignação pública. Embora sua impostura tenha sido exposta, o material produzido por Taxil continua a ser utilizado contra a Maçonaria, especialmente por grupos fundamentalistas cristãos e antimaçônicos, que perpetuam a associação do Baphomet à Maçonaria e alegam sua ligação ao satanismo. Uma análise posterior sugeriu que Taxil poderia ter sido manipulado pela própria Maçonaria para desacreditar movimentos antimaçônicos. Essa trama complexa permanece como uma curiosa página na história das conspirações antimaçônicas.


Uma obra de Taxil que zomba da figura de Cristo para provocar a Igreja

Livros anticlericais de Taxil (zombando da igreja)

  • Abaixo estão as traduções dos títulos dos livros mencionados:

La Bible amusante (1882)

La Bible amusante (1882)

- A Bíblia Divertida (1882)

Un Pape femelle (1882)

- Um Papa Feminino (1882)

L'Empoisonneur Léon XIII et les cinq millions du chanoine (1883)

- O Envenenador Leão XIII e os Cinco Milhões do Cônego (1883)

La Prostitution contemporaine (1883)

- A Prostituição Contemporânea (1883)

Pie IX devant l'Histoire (1883)

- Pio IX Diante da História (1883)

Les Amours de Pie IX (1884), livro publicado com o nome de A. Volpi, mas não reconhecido por Taxil.

- Os Amores de Pio IX (1884), livro publicado sob o nome de A. Volpi, mas não reconhecido por Taxil.

Les Maîtresses du Pape (1884)

- As Amantes do Papa (1884)

La Vie de Veuillot immaculé (1884)

- A Vida de Veuillot Imaculado (1884)

Os Mystérios da Igreja (1884)

- Os Mistérios da Igreja (1884)


Livros antimaçônicos

Alguns livros antimaçônicos de Taxil

Les soeurs maçonnes

- As Irmãs Maçônicas

Les Frères trois points

- Os Irmãos Três Pontos

L’Antéchrist ou l’origine de la franc-maçonnerie

- O Anticristo ou a Origem da Maçonaria

Le Chute du Grand Architecte

- A Queda do Grande Arquiteto

les Assassinats maçonniques

- Os Assassinatos Maçônicos

Estas ilustrações contribuíram para que a imagem de Baphomet fosse associada a maçonaria como uma divindade de um suposto culto, posteriormente desmentido por Leon Taxil mas infelizmente estas falas são expressas erroneamente até hoje

La Franc-maçonnerie dévoilée (1887)

- A Maçonaria Desvelada (1887)

Les Mystères de la franc-maçonnerie (1886)

- Os Mistérios da Maçonaria (1886)

Le Vatican et les francs-maçons (1886)

- O Vaticano e os Maçons (1886)

Confession d'un ex-libre penseur (1887)

- Confissão de um Ex-Livre Pensador (1887)

Histoire anecdotique de la Troisième République (1887)

- História Anedótica da Terceira República (1887)

La France maçonnique (1888)

- A França Maçônica (1888)

La Ménagerie républicaine (1889)

- A Menagerie Republicana (1889)

la Corruption fin de siècle (1891)

- A Corrupção no Fim do Século (1891)

Le Diable au XIXè siècle (1895)

- O Diabo no Século XIX (1895)



Resumo

Inicialmente, Taxil publicou vários livros anticatólicos que retratavam a hierarquia eclesiástica como hedonista e sádica. Taxil ingressou na Maçonaria em 1881, mas sua permanência foi breve, expulso após dez meses, em 1882, devido a casos de plágio e difamação.

Em 20 de abril de 1884, o Papa Leão XIII publicou a encíclica "Humanum Genus", que destacava a divisão da raça humana em dois reinos opostos: o reino da verdade e virtude, representado pela verdadeira Igreja de Jesus Cristo, e o reino de Satanás. Taxil, considerando a postura papal em relação aos maçons, viu uma oportunidade para uma brincadeira. Ele se converteu publicamente ao catolicismo em 1885, anunciando a intenção de reparar o dano causado à verdadeira fé. Nesse contexto, inventou uma ordem maçônica satânica fictícia chamada Palladium, cujo objetivo era dominar o mundo.

Alegando denunciar essa ordem, Taxil acusou inicialmente a Maçonaria de ocultar misérias morais e incentivar vícios e assassinatos. Em seguida, afirmou que a Maçonaria era uma seita satânica dedicada a Baphomet, com Albert Pike, o chefe supremo, recebendo ordens de Lúcifer nos camarotes. Para dar credibilidade à farsa, Taxil misturou elementos do ritual maçônico com fantasias, utilizando o símbolo do 18º grau do Rito Escocês Antigo e Aceito.

Seu primeiro livro após a conversão católica era uma história fictícia da Maçonaria, contendo testemunhos inventados de sua participação no satanismo. Em colaboração com "Dr. Karl Hacks", escreveu "Devil in the Nineteenth Century", apresentando Diana Vaughan, suposta descendente do alquimista Rosacruz Thomas Vaughan. Taxil alegou que Diana, antes envolvida na maçonaria satânica, foi resgatada ao expressar admiração por Joana d'Arc. Como Diana Vaughan, publicou "Eucharistic Novena", elogiado pelo Papa.

Taxil enganou muitos católicos, sendo recebido pelo Papa Leão XIII em 1887, que admirava sua obra e o financiou. Mantendo a farsa, Taxil afirmou que Albert Pike era um "Papa Luciferianista", líder supremo de todos os maçons, que se comunicava com Satanás toda sexta-feira às três horas. A revelação da farsa em 1897 causou escândalo, levando a intervenção policial para proteger o autor.

Apesar de reconhecida como fraude, o material de Taxil ainda é usado contra os maçons, especialmente por fundamentalistas cristãos e antimaçônicos. Um livro, "Le Mystère de Léo Taxil et la vraie Diana Vaughan" (1930), alega que Taxil foi manipulado pela Maçonaria para desacreditar a antimaçonaria.


Linha do tempo - A fraude dos Paladistas:

Culto Satânico na Maçonaria:

- Na fraude de Taxil, os Paladistas eram membros de um fictício culto satanista teísta dentro da Maçonaria.

- Segundo Taxil, o Paladismo constituía uma religião praticada nas mais altas ordens maçônicas, onde os adeptos adoravam Lúcifer e interagiam com demônios.

Alegações de Descoberta:

- Em 1891, Léo Taxil e Adolphe Ricoux afirmaram ter descoberto uma Sociedade Paladiana.

- Um livro francês de 1892, "Le Diable au XIXe siècle" (O Diabo no Século 19), atribuído a "Dr. Bataille," alegava que os Paladistas eram satanistas liderados por Albert Pike e criados por Giuseppe Mazzini.

Detalhes da Ordem Paládio:

- Arthur Edward Waite, desmascarando a existência do grupo, relatou que, segundo "os trabalhos de Domenico Margiotta e Dr. Bataille," a Ordem Paládio era uma suposta "Ordem diabólica maçônica."

- A sociedade supostamente tinha duas ordens, "Adelph" e "Companion of Ulisses," sendo desmembrada pela aplicação da lei francesa.

Confissões de Diana Vaughan:

- Uma suposta Diana Vaughan publicou "Confessions of an Ex-Palladist" (Confissões de uma Ex-Paladista) em 1895.


Confissão:

Entrevista Coletiva de 1897:

- Em 19 de abril de 1897, Léo Taxil convocou uma entrevista coletiva planejando apresentar Diana Vaughan à imprensa.

- Na conferência, anunciou que suas revelações sobre os maçons eram fictícias, agradecendo ao clero católico por dar publicidade às suas alegações.

Publicação da Confissão:

- A confissão de Taxil foi impressa no jornal Le Frondeur em 25 de abril de 1897.

- Título: "Twelve Years Under the Banner of the Church, The Prank Of Palladism. Miss Diana Vaughan–The Devil At The Freemasons. A Conference held by M. Léo Taxil, at the Hall of the Geographic Society in Paris."

Persistência das Falsas Alegações:

- Apesar da confissão, o material falso ainda é citado hoje, principalmente por fundamentalistas cristãos e em obras como "The Curse of Baphomet" e "Cult and Ritual Abuse."


Resumo das razões por Trás da Farsa:

- Em uma entrevista posterior à sua confissão, publicada na revista National Magazine em 1906, Taxil expôs suas verdadeiras razões por trás da farsa.

- Taxil faleceu em 31 de março de 1907, após dez meses da entrevista.

Reflexões de Taxil:

- Taxil admitiu que começou a escrever contra os maçons por diversão, sem imaginar que suas histórias grotescas seriam aceitas como verdade.

- Ele destacou o quanto as absurdas tramas foram aceitas pelo público e como a credulidade humana não tinha limites.

- Suas reflexões revelaram o caráter irônico da situação, onde suas invenções acabaram por influenciar a opinião pública de maneira inesperada.


Em 19 de abril de 1897, Léo Taxil convocou uma entrevista coletiva na qual, segundo ele, apresentaria Diana Vaughan à imprensa. Na conferência, em vez disso, ele anunciou que suas revelações sobre os maçons eram fictícias. Ele agradeceu ao clero católico por sua ajuda em dar publicidade às suas reivindicações selvagens. A confissão de Taxil foi impressa, na íntegra, no jornal parisiense Le Frondeur, em 25 de abril de 1897, intitulada: Twelve Years Under the Banner of the Church, The Prank Of Palladism. Miss Diana Vaughan–The Devil At The Freemasons. A Conference held by M. Léo Taxil, at the Hall of the Geographic Society in Paris (Doze Anos sob a Bandeira da Igreja, a Fraude do Paladismo. Senhorita Diana Vaughan – O Diabo nos Maçons. Conferência realizada por M. Léo Taxil, no Salão da Sociedade Geográfica em Paris). O material falso ainda é citado até hoje. O tratado da Chick Publications, The Curse of Baphomet (A Maldição de Baphomet), e o livro de Randy Noblitt sobre abuso ritual satânico, Cult and Ritual Abuse (Culto e Abuso Ritual), ambos citam as alegações fictícias de Taxil.

Uma Entrevista Posterior com Taxil:


Na revista National Magazine, an Illustrated American Monthly, Volume XXIV: abril – setembro de 1906, páginas 228 e 229, dez meses depois, em 31 de março de 1907, Taxil morreu.


Confissão - falas do proprio Taxil:


“O público me fez o que sou; o arquimentiroso da época”, confessou Taxil, “pois quando comecei a escrever contra os maçons meu objetivo era diversão pura e simples. Os crimes que dei à sua porta eram tão grotescos, tão impossíveis, tão amplamente exagerados, que pensei que todos veriam a piada e me dariam crédito por originar uma nova linha de humor. Mas meus leitores não aceitaram; eles aceitaram minhas fábulas como a verdade do evangelho, e com o propósito de mostrar que eu menti, mais convencidos ficaram de que eu era um modelo de veracidade.”
“Então me ocorreu que havia muito dinheiro em ser um (Barão de) Munchausen do tipo certo, e por doze anos eu dei a eles quente e forte, mas nunca muito quente. que escrevia profecias nas costas de Diana com a ponta do rabo, às vezes eu dizia a mim mesmo: ‘Espere, você está indo longe demais’, mas não o fiz. Meus leitores até aceitaram com carinho a história do diabo que, em ao se casar com um maçom, transformou-se em crocodilo e, apesar do baile de máscaras, tocava piano maravilhosamente bem.”
“Certo dia, ao dar uma palestra em Lille, disse à plateia que acabara de ter uma aparição de Nautilus, a mais ousada afronta à credulidade humana que eu havia arriscado. Mas meus ouvintes nunca viraram um fio de cabelo. “Ouça, o médico viu Nautulius”, disseram eles com olhares de admiração. Claro que ninguém tinha uma ideia clara de quem era Nautilus, eu não tinha, mas eles presumiram que ele era um demônio.”
“Ah, as noites alegres que passei com meus colegas autores inventando novas tramas, novas, inauditas perversões da verdade e da lógica, cada uma tentando superar a outra na mistificação organizada. Achei que ia me matar de rir de algumas coisas propostas, mas deu tudo certo; não há limite para a estupidez humana”.

É possível encontrar pessoas vendendo a tradução das mais de 30 páginas da confissão de Taxil na internet.


Livro que fala do assunto:

Sinopse:

Apesar do título sensacionalista, este livro é, na verdade, uma resposta a uma famosa fraude do final do século XIX, que marcou de forma definitiva a Maçonaria e que tem sido explorado pelos seus inimigos até hoje. Léo Taxil, um anticlericalista francês, convenientemente convertido de uma hora para outra ao catolicismo em 1885, escreveu diversos livros em que apregoava que a Maçonaria era uma conspiração satânica mundial. Lançou um jornal antimaçônico e em 1887 teve até mesmo uma audiência com papa Leão XIII, que aprovou e abençoou subsequentemente sua campanha antimaçônica. Waite desmascarou Taxil e todos os outros autores que se empenharam nessa cruzada antimaçônica.

280 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page